O Flamengo se distanciou da briga pelo G-4 do Campeonato Brasileiro após a sequência de sete derrotas em oito jogos na competição.

No entanto, para o lateral esquerdo Jorge, o momento é de se recuperar e fazer um final de temporada digno do clube. Por isso, os rubro-negros não vão relaxar e tentarão o maior número de pontos possível nas últimas rodadas da Série A.

"É um sentimento ruim que estamos vivendo. Nenhum jogador fica feliz com isso. Só que o futebol é assim, com vitórias e derrotas. A gente sabe da dificuldade do Campeonato Brasileiro. Vamos tentar recuperar estas derrotas nestes últimos cinco jogos", disse.

 

Jorge minimizou a pressão que a torcida vem fazendo para a volta dos bons resultados. Cria das categorias de base do clube, o lateral esquerdo afirmou que gosto disso e espera acalmar a ira dos rubro-negros nos próximos jogos.

 

"Eu gosto desta pressão dos torcedores. Já estou aqui faz um tempo e conheço essa pressão da torcida do Flamengo. A gente sabe que, quando perde, a pressão é assim mesmo. Todos os jogadores têm que estar preparados. Já temos experiência para lidar com isso", declarou.

 

O rubro-negro é um dos destaques da equipe no Campeonato Brasileiro e deixou o experiente Armero no banco de reservas. Com isso, Jorge chamou atenção e passou a ter seu nome ventilado em alguns clubes da Europa. O jogador ressaltou que seu foco está no Flamengo e preferiu deixar o assunto na mão de seu pai.

 

"Quero ser ainda mais feliz aqui dentro do Flamengo. Sobre propostas, deixo para meu pai, que é meu empresário, resolver. Estou realizando meu sonho de estar aqui, treinando entre os profissionais. Eu só penso no Flamengo, mais nada", decretou.

 

O Flamengo pode acabar com a sequência negativa neste domingo, quando recebe o Goiás, que briga contra o rebaixamento, no Maracanã. Para esta partida, o técnico Oswaldo de Oliveira não terá o atacante Paolo Guerrero, suspenso. Por isso, a diretoria pode reintegrar os cinco jogadores afastados na semana passada por terem sido flagrados em uma festa.

 

 

 

Fonte: ESPN              Foto: GAZETA PRESS

Ainda que com ressalvas, a assembléia convocada pela CBF com as federações estaduais aprovou a Liga Sul-Minas-Rio, na última terça-feira.

 

O próximo passo, segundo o CEO da entidade, Alexandre Kalil, é fechar os acordos comerciais para viabilizar a competição. Ao fim da reunião da semana passada, na sede social do Cruzeiro, em Belo Horizonte, os seus participantes fizeram uma estimativa de quanto devem faturar na primeira edição.

Com cinco datas, o cálculo é de que cada clube embolsará entre R$ 2,5 milhões e R$ 3 milhões com as três partidas pela fase de grupos.

 

Em caso de classificação para semifinal e uma eventual final, o faturamento pode chegar a R$ 4,5 milhões em premiação.

 

O Campeonato Mineiro, considerado modelo entre os estaduais, conta, por exemplo, com 15 datas e assegura à dupla Atlético-MG e Cruzeiro R$ 6,5 milhões anuais em caso de ida para a decisão.

 

Mais atrativa, a Liga Sul-Minas-Rio, ou Primeira Liga, é também mais lucrativa

No último encontro de seus 15 fundadores, foi colocado na mesa como será dividida toda a verba do torneio.

 

A princípio, a proposta é para que o rateio seja feito da seguinte forma:

 

1) 44% do dinheiro, a ser dividido igualmente entre os 12 participantes;

 

2) 44% a partir da venda de pacotes do pay-per-view;

 

3) 12% destinado à premiação.

A entidade conta hoje com 15 membros - América-MG, Avaí, Atlético-MG, Atlético-PR, Chapecoense, Coritiba, Criciúma, Cruzeiro, Figueirense, Fluminense, Flamengo, Inter, Joinville, Grêmio e Paraná - e ainda o interesse de diversos outros em entrar, caso de Goiás, Botafogo e Ponte Preta e de um bloco de times da Série B.

 

A próxima reunião está marcada para o dia 12 de novembro, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre.

 

 

 

Fonte: ESPN        Foto: Reprodução TV 

Com uma torção no joelho sofrida na primeira partida das semifinais da Copa do Brasil, Fred acabou fora do confronto contra o Atlético-PR no último sábado, mas voltou a treinar nesta terça-feira e deu indícios de que estará em campo nesta quarta-feira, contra o Palmeiras, no Allianz Parque. Após a atividade nas Laranjeiras, o técnico Eduardo Baptista mostrou confiança no retorno do atacante, mas já avisou sobre sua condição física.

"Não tenho essa informação (se fez infiltração no joelho). Ele fez alguns procedimentos no departamento médico para amarrar o joelho, para não deixar solto. Foi uma lesão complicada. Se ele apresentar a mesma forma que hoje, vai para o jogo, mas já adianto que 100% ele não estará, mas há um trabalho para que ele chegue perto disso. No entanto, tem uma imensa vontade de ajudar. E ele é importante ao time", disse o técnico do Fluminense.

 

Além de seu principal atacante, Eduardo Baptista teve outro problema nesta terça-feira. Marcos Júnior sentiu dores na coxa direita e acabou poupado do treino. Com isso, o treinador optou pela entrarda de Pierre, adiantando Cícero, e com Vinicius no setor ofensivo.

 

A equipe titular no treinamento entrou em campo com Diego Cavalieri, Wellington Silva, Gum, Marlon e Breno Lopes; Pierre, Jean, Cícero, Gustavo Scarpa, Vinicius e Fred.

 

 

 

 

 

Fonte: ESPN  Foto: Google Imagens 

Nesta quarta-feira, dois jogaços, ambos às 22h (horário de Brasília), definirão a final da Copa do Brasil de 2015: Palmeiras x Fluminense, no Allianz Parque, e Santos x São Paulo, na Vila Belmiro.

Independentemente dos resultados, é possível dizer que o torneio terá uma decisão "inédita".

 

Afinal, se o Palmeiras eliminar o clube das Laranjeiras, será a primeira vez que a competição, disputada desde 1989, terá um duelo paulista na final.

 

A Copa do Brasil já foi decidida por dois times do mesmo Estado em duas ocasiões: 2009 (Flamengo x Vasco) e 2014 (Atlético-MG x Cruzeiro). Nunca, porém, por dois times de São Paulo.

 

No entanto, caso o Fluminense avance no Allianz Parque, é possível dizer que a final também é, de certa forma, "inédita".

Um possível Flu x Santos ou Flu x São Paulo será a primeira decisão entre um grande do Rio de Janeiro e um grande paulista na Copa.

Já houve duas finais Rio-SP, mas, nas duas, o clube de São Paulo envolvido não podia ser considerado um grande: 2004 (Santo André x Flamengo) e 2005 (Paulista de Jundiaí x Fluminense).

 

Em ambas as decisões entre paulistas e cariocas, aliás, os clubes de São Paulo levaram a melhor, faturando duas vezes a taça no Maracanã.

 

Como o jogo de ida, no Rio, terminou 2 a 1 para o Flu, os cariocas precisam de apenas um empate para eliminar o Palmeiras, mas podem até perder por 3 a 2 em diante que também passam de fase. A equipe paulista avança com uma vitória por 1 a 0 ou com qualquer triunfo por dois gols de diferença.

 

Já o Santos está em situação bem mais confortável. Como ganhou por 3 a 1 no Morumbi, o "Peixe" joga por um empate ou pode até perder por um gol na Vila Belmiro que ainda assim vai à final. Ao São Paulo, resta buscar um triunfo por três gols de vantagem ou por 4 a 2 em diante.

 

 

 

 

 

Fonte: ESPN       Foto: LUIS MOURA/GAZETA PRESS

O Santos conquistou uma boa vantagem sobre o São Paulo após o duelo no Morumbi, no qual o time de Dorival Júnior triunfou pelo placar de 3 a 1.

Assim, a equipe da Baixada pode até perder por 2 a 0 nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, que mesmo assim avança para a grande decisão da Copa do Brasil. E a diretoria santista já parece estar de olho na sequência da competição nacional.

O clube garante que o foco está todo voltado para a partida diante do rival nesta quarta, mas o presidente Modesto Roma Júnior não concorda com as datas das finais da Copa do Brasil. O primeiro jogo da decisão está marcado para o próximo dia 4 de novembro, na quarta-feira. O segundo aconteceria apenas no dia 25 de novembro.

 

O Santos entende que o grande intervalo entre as partidas poderia atrapalhar a preparação das equipes. Portanto, a intenção da diretoria é sugerir as finais nos dias 25 de novembro e 2 de dezembro, ou então alterar para outra data o primeiro embate, caso o segundo seja mantido para o dia 25.

 

O clube, porém, ainda não apresentou o pedido à CBF, uma vez que espera, claro, a definição do confronto da semifinal contra o São Paulo.

 

 

 

 

Fonte: ESPN  Foto: PEDRO ERNESTO GUERRA AZEVEDO/SANTOS FC

As saídas de Alexandre Pato, Luis Fabiano e Rogério Ceni ao final da temporada devem entristecer os torcedores do São Paulo, mas já são vistas pela diretoria do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, como a solução de alguns problemas.

A reportagem apurou que o novo presidente vai encontrar o clube com uma dívida de cerca de R$ 300 milhões, sendo a maior parte dela com instituições financeiras. A informação foi confirmada por membros da atual diretoria de Leco.

 

Ainda que enfraqueça o time tricolor, a saída dos três jogadores citados representará uma economia de R$ 1,7 milhão na folha salarial do futebol.

 

A única chance de Pato ficar é se ele se for contratado pelo São Paulo. Emprestado pelo Corinthians até 31 de dezembro deste ano, o clube tricolor teria de pagar para ficar com o jogador 25 milhões de euros (cerca de R$ 108 milhões).

 

Luis Fabiano concluirá o contrato dele ao final desta temporada, quando terá 35 anos. A chance de renovação é mínima. O salário dele é o segundo mais alto atrás apenas de Rogério Ceni. E o desempenho não tem agradado (só nove gols em 33 jogos).

 

Já Ceni encerrará a carreira no final do ano após ter recuado na decisão nas duas últimas temporadas. Apesar de não ter contrato de imagem, ele recebe o salário mais alto no futebol. Por isso, a saída dele ajudará o time a enxugar bem a folha salarial.

 

Austeridade financeira

 

Não é apenas com as saídas dos jogadores que atuam diretoria conta para ajustar as contas. Deve ser elaborada uma nova estratégia para a contratação de reforços, possivelmente com um novo teto salarial. O atual é de R$ 300 mil.

 

"Planejo ter um grupo de bons jogadores que honrem nossa história e que atenda a expectativa do nosso torcedor, acostumado a grandes conquistas. Mas isso não ocorrerá num primeiro momento da minha gestão", já admitiu Leco.

 

A diretoria evita falar em cortes de funcionários, mas é bem possível que eles ocorram. Assim como a revisão de contratos existentes. 

 

Quem deve cuidar desse traballho é Alexandre Bourgeois, que voltou ao cargo de CEO. Ele já trabalhou no clube por três meses, mas foi demitido pelo ex-presidente Carlos Miguel Aidar que alegou "quebra de confiança". O executivo é próximo do empresário Abílio Diniz.

 

Bourgeous trabalha também em um plano de renegociação da dívida tricolor. O primeiro passo é evitar que o valor cresça mais até o final do ano. O segundo é alongar a dívida para permitir ao clube o pagamento sem abrir mão de recursos para investir em outros setores.

 

Leco ainda não nomeou um diretor financeiro, mas a ideia é que o indicado trabalhe em conjunto com Bourgeois e com o novo diretor jurídico. Um trabalho de auditoria também será feito. O presidente disse aos conselheiros que pretende contratar a PricewaterhouseCoopers para início imediato. A empresa foi indicada por Abílio Diniz. 

 

"Reconstruir o São Paulo significa dar transparência à gestão. Fazer uma gestão austera, conhecendo as pendências, negociando a dívida e recuperar a credibilidade. A credibilidade é algo fundamental para o São Paulo", disse Leco, ao ser eleito.

 

 

 

 

 

Fonte: ESPN    Foto: Gazeta Press

No fim da tarde desta segunda-feira, 26/10, na Sala de Imprensa Artur de Albuquerque, o Dr. Daniel Gomes concedeu entrevista coletiva aos profissionais da imprensa local. Na ocasião, o médico liberou as informações dos atletas alvinegros que estão em tratamento e/ou em fase de transição.

 

Confira abaixo todos os detalhes dos jogadores que frequentaram o Departamento Médico nos últimos dias:

 

Buiú e Mazola: Após tratamento de lesão na musculatura posterior da coxa direita, os atletas se encontram em fase final de transição. Já foram, inclusive, incorporados ao restante do elenco.

 

Ricardo Conceição: Segue em tratamento fisioterápico após lesão na musculatura anterior da coxa direita.

 

Luís Carlos: Esteve fora da última partida por conta de uma manutenção de rotina de tendinite no ombro esquerdo, mas já voltou aos trabalhos.

 

Thiago Carvalho: Lesão na musculatura anterior da coxa direita. Segue em tratamento.

 

Assisinho: Lesão no ligamento cruzado anterior do joelho direito. Segue em protocolo de reabilitação pós-cirurgia.

 

Tiago Campagnaro: Lesão no menisco no joelho direito. Segue em protocolo de reabilitação pós-cirurgia.

 

 

 

Fonte: Site oficial do Ceará Sporting Club           Foto: Rafael Barros / cearasc.com

 

Em julgamento realizado nesta segunda-feira, o STJD multou São Paulo, Monte Cristo e Criciúma pelo caso envolvendo o zagueiro Iago Maidana.

 

As três equipes foram punidas em R$ 100 mil por descumprir o artigo 191, II, do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) em razão da violação do artigo 66 do Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol.

Pela infração do mesmo artigo, Iago também recebeu uma sanção financeira, mas de R$ 10 mil.

 

O tribunal ainda acatou o argumento dos clubes de que não teria mérito para julgar as infrações ao Regulamento Nacional de Intermediários, que originou a denúncia do caso.

 

Ele deverá ser apreciado pelo Comitê de Resolução de Litígios da CBF. As punições previstas para este artigo são multa, suspensão de registros de novos jogadores por um ou dois anos, dedução de pontos e até rebaixamento.

 

COMO O CASO COMEÇOU

 

Pela forma com que ocorreu, a transferência de Iago Maidana levantou suspeitas e virou alvo de uma investigação da CBF. A negociação foi intermediada pela empresa "Itaquerão Soccer", que pagou R$ 800 mil ao Criciúma pelo jogador e, em seguida, o registrou no Monte Cristo, clube da terceira divisão goiana. Dois dias depois, o zagueiro teve 60% de seus direitos econômicos vendidos ao São Paulo por R$ 2 milhões.

 

A participação de investidores no repasse de direitos econômicos de jogadores está proibida pela Fifa desde maio e consta no artigo 10 do Regulamento Nacional de Transferências da CBF. "Nenhum clube poderá ajustar ou firmar um contrato que permita a qualquer das partes, ou a terceiros, assumir uma posição em razão da qual possa influir em assuntos laborais e de transferências comprometendo a independência, a política ou a atuação desportiva do clube", diz a passagem.

CRICIÚMA

 

No julgamento, o advogado Osvaldo Sestário afirmou na defesa que a avaliação da infração ao Regulamento Nacional de Intermediários não é competência do STJD. Para ele, seria competência do Comitê de Litígio da CBF - algo que foi acatado pelos auditores depois.

 

Ele ainda alegou que o único erro do time foi não ter renovado com Iago antes do atleta ter viajado para defender a seleção brasileira. "Há adaptação ao novo regulamento e se houve erro não foi por má fé".

 

O clube catarinense ainda levou duas testemunhas ao julgamento: Mariana Bittencourt, gerente de contratos, e Antonio Sérgio Rodrigues, de registros.

 

MONTE CRISTO

 

O advogado André Ribeiro utilizou o mesmo argumento do Criciúma para contestar o mérito do STJD em analisar a questão das infrações do Regulamento Nacional de Intermediários.

 

Ele ainda afirmou que a motivação em trazer o atleta era ter um jogador com potencial e que poderia vendido depois para o exterior.

 

"O clube tinha intenção de utilizar este jogador e transferi-lo caso tivesse uma proposta. Quem vai usar este dinheiro vai ser o Monte Cristo. Não pode ser condenado por ter tido a ousadia de fazer um grande negócio. O clube não foi ferramenta do Criciúma, do São Paulo ou do grupo de investidores".

 

SÃO PAULO E IAGO

 

O clube paulista foi defendido pelo advogado Roberto Armelin. O representante da equipe alegou que a CBF não chamou a atenção da equipe na hora do registro do contrato de Iago e que o caso só veio à tona quando "alguém reclamou". Ele pediu apenas uma advertência, no máximo, como punição ao time paulista e ao jogador, além de seguir os advogados de Monte Cristo e Criciúma, alegando que o STJD não teria mérito em analisar todas as questões.

 

"É um negócio normal ao dia a dia. Não há nenhuma prova. Dia 15 de setembro se encerrava a inscrição no Brasileiro, dia 16 na Copa São Paulo. Para o São Paulo só valeria a pena comprá-lo se pudesse inscrevê-lo. Por isso tudo foi feito de maneira errada."

 

"Não há prova de que há contrato entre intermediários. O São Paulo firmou um único contrato, o de aquisição com o Monte Cristo, apenas. O clube negociou somente com o Monte Cristo e o pai do atleta. O clube não está escondendo nenhum contrato. Só fez um contrato. Não tipifica a denúncia de que o clube está escondendo o contrato. Só fizemos um pagamento, de R$ 1 milhão, e estamos até atrasando parcelas."

 

Em relação a Iago, o advogado disse que o jogador só teve uma ajuda informal da empresa Itaquerão Soccer e que nada estava assinado entre ele e a empresa em questão. 

 

 

 

 

 

Fonte: ESPN                     Foto: Google Imagens 

Além da vantagem de 2 a 1 obtida no jogo de ida, no Maracanã, o Fluminense pode ter outro trunfo para o duelo de volta contra o Palmeiras, pela semifinal da Copa do Brasil. Nesta segunda-feira, Fred participou integralmente do treino orientado pelo técnico Eduardo Baptista.

Deste modo, cresce a expectativa para a presença do atacante no gramado do Allianz Parque nesta quarta-feira, às 22 horas (de Brasília). A atividade foi pautada na troca de passes em velocidade e nas finalizações a gol.

 

Além do capitão, que preocupava em virtude de entorses no joelho e no tornozelo da perna esquerda, o volante Rafinha também trabalhou com bola pela primeira vez desde a cirurgia no pé esquerdo, a qual foi submetido em setembro.

 

Presentes na derrota por 1 a 0 para o Atlético-PR, no último sábado, alguns atletas realizaram apenas trabalho regenerativo, mas devem ter condições físicas para encarar o time alviverde: Wellington Silva, Jean, Gum, Marlon, Cícero, Gustavo Scarpa e Vinícius.

 

 

 

 

Fonte: ESPN                   Foto: Gazeta Press

Pesquise no site

Amigos online

Temos 797770 visitantes e Nenhum membro online